Neverland não não também não

segunda-feira, 8 de abril de 2019

Livros Lidos em 2018

Livros Antigos, Livro, Antigo, Biblioteca, Educação

  Meus caros, a mim me parece que está cada dia mais difícil ler livros e mais livros, ainda mais quando são densos. Como vocês verão na lista que segue abaixo eu basicamente alternei obras acadêmicas com alguma poesia, um livro espírita, um clássico, e, pasmem, auto-ajuda - acho que sou oficialmente uma adulta. Os favoritos estão em negrito, e como podem perceber foram menos que nos anos anteriores (também é uma relação de proporção entre lidos e favoritos). No geral, foram todas leituras muito produtivas mas rara é aquela que de fato toca o coração, não é mesmo? Bem, então vamos à lista.

01 - Conduta - Espírita - Vieira
02 - O Mito da Desterritorialização - Rogério Haesbaert
03 - Outros Jeitos de Usar a Boca - Rupi Kaur
04 - O Que é a Cidade - Rachel Rolnik
05 - O Lugar do Olhar - Paulo César da Costa Gomes
06 - Tempos Líquidos - Bauman
07 - Paulo e Estevão - Chico Xavier
08 - A Condição Humana - Hannah Arendt
09 - Poesia Brasileira
10 - A Relíquia - Eçá de Queiroz
11- Mobilidade Humana e Identidades Religiosas
12 - #Girlboss - Sophia Amoruso
13 - Os Quatro Compromissos - Don Miguel Ruiz
14 - O Poder do Agora - Eckart Tole
15 - A Elite do Atraso - Jessé Souza
16 - As Veias Abertas da América Latina - Eduardo Galeano

  Agora digam-me vocês: quantos livros leram ano passado e quantos pretendem ler esse ano? Lembrando sempre que quantidade não é qualidade. Inclusive para esse ano, acabei entrando na onda do "1 livro por mês", ciente da tendência do aumento de dificuldade da literatura e da ocupação conforme os anos passam. Este ano, aliás, é um ano de leitura densa e atenciosa para que os frutos possam vir à tona. Por hoje é isto, queridos! Até breve!

domingo, 10 de fevereiro de 2019

Cindy Macey

Untitled Film Still #21
(American, born 1954)
Cindy Sherman
1978. Gelatin silver print, 7 1/2 x 9 1/2" (19.1 x 24.1 cm)


Ela estava na hora do almoço no primeiro dia de trabalho. Não tinha sido como ela imaginava e todo o encantamento para com a cidade começava a se dissolver. Sua família havia lhe avisado que tudo era diferente, e o tratamento que recebera não havia sido dos melhores até então, mas não poidia simplesmente voltar atrás. Muiuto ainda iria acon tecer, coisas boas esperava, para poder retornar para casa e ajudar a todos. Mostrar que estava certa, não como algo egoico, não era de sua natureza, mas como apresentando uma nova possibilidade. Era preciso continuar, voltar para a bancada e recepcionar com o sorriso que a destacara como funcionária. A maquiagem não er auma metáfora, talvez acreditasse em si mesma se sorrise mais. Ela era mais que uma secretária, era Cindy Macey. Era doce e branda, e amada por toda a infância, coma  juventude não poderia ser diferente. Crescera com vida simples e rural e conhecia pouco do que estava fora de sua circusncrição. Mas estava aberta ao novo, e o convite de não apenas conhecer como trabalhar na cidade poderia ser uma porta de entrada para uma nova realidade. Talvez uma melhor que a sua. Era uma moça flexível, e coisas boas vinham para pessoas boas.

Obs: Este texto é resultado de uma proposta do MoMA através de um curso do Coursera sobre ver além da fotografia.

sábado, 9 de fevereiro de 2019

Subway Portrait

Subway PortraitWalker Evans
(American, 1903–1975)
1941. Gelatin silver print, 6 15/16 x 7 1/2" (17.6 x 19.1 cm)

Às vezes, se deseja tanto um tipo de vida que não se compreende o que ela representa. A vda era boa, não se engane, mas havia sempre algo a se esperar. Quando seu interior esperava algo bom, era um momento a ser registrado, mas quando se tornava uma ânsia receosa do que estav apor vir, o isolamento viria a ocultar essa face mental. Era uma manhã, mas as luzes já estavam acesas a diminuir as pupilas e despertar a força os que se ocultavam na estação de metrô para revelarem-se ao mundo do dinheiro. Era preciso, e não era uma coisa ruim. Dinheiro é bom, trabalho é digno.Assim como quem ia, ele também voltaria. E tinha para quem voltar, pelo que era de uma gratidão imensa. Ou ao menos deveria ser. Indo ao trabalho, saindo do subúrbio para a cidade. Sentar e vender. Talvez girar um pouco na cadeira pra inconscientemente despertar a criança dentro de si, sentir-se melhor consigo mesmo.É que o mundo era maior que sua sala e companheiros de trabalho. Era maior até que seu casamento, sua esposa.Ele a amava, e ela também, mas havia estações de distância entre eles e possibilidades demais que não viveram pelo conforto que não encontravam de jeito algum. As luzes do subterrâneo nunca serão as luzes do mundo.


Obs: Este texto é resultado de uma proposta do MoMA através de um curso do Coursera sobre ver além da fotografia.

terça-feira, 8 de janeiro de 2019

Playlists Favoritas de 2018 no Spotify


  Seguindo a tradição dos outros anos, as playlists que mais fizeram parte do meu ano. Desta vez foram pouco menos que no ano passado porque foquei em conhecer artistas ao invés de passear pelas playlists - tendências que alterno anualmente. Bem, então, enfim, vamos às recomendações.

Just Breathe

Playlist da incrível Larissa Vaiano do canal O Poder da Gravata, tem a premissa de relaxar e me apresentou músicas e artistas muito bons como Kings of Convenience, por exemplo.

This Is Lana Del Rey

A artista que mais escuto por três anos seguidos não poderia ter sua playlist deixada de lado. Os maiores clássicos da Laninha num canto só.

Sexy As Folk

Acredito que esse foi o meu ano do folk, e essa playlist específica do Spotify me conquistou de verdade. Tem uma pegada mais lenta, mais sensorial, uma senhora playlist.

Música da Semana

A ideia para uma playlist como essa veio de algum video no youtube que vi no início do ano passado e se trata de pegar uma música por semana para no final do ano ter uma playlist com pra lá de  cinquenta músicas.Obviamente não segui a ideia a risca e tive cerca de trinta músicas que não necessariamente marcaram meu ano, mas que, de alguma forma, foram bastante recorrentes. Achei a ideia maravilhosa e pretendo fazer algo semelhante neste ano, porém com essa característica de músicas mais marcantes, mesmo.

sexta-feira, 22 de junho de 2018

Amor Incondicional: Amando pelo Presente da Existência


 Pode até ser que muito se ouça sobre "amor incondicional" mas o fato é que a primeira vez de ter me dado conta conscientemente sobre essa expressão, algo mudou dentro de mim. Parecia algo digno de transcendência, uma finalidade de vida.
  Como a própria expressão torna clara, o amor incondicional é aquele que não depende de nada além da existencia daquele que ama e daquele que é amado, sem condições. Um exemplo simples para compreender isso é o amor que se dedica a um recém nascido, esse ser que existe e nada pode oferecer ainda, apenas demandar. Ou seja, não há interesses ou decepções que intervenham no sentimento.
  Ainda que se associe mais comumente ao amor materno por exemplo, também não é incomum que seja associado à idealização do amor romântico. No entanto, o amor incondicional deveria estar associado a todos, a tudo, e também se manifesta no mundo real a partir do momento em que se disponha para tal.
  Parece uma utopia aplica-lo numa realidade como a nossa, não é? Mas é sabido o poder de contagiar que nossas ações possuem, a atração de nossos pensamentos. Além disso, amar é simples, acontece muitas vezes - se não em todas - independente da nossa vontade; o que complica são os relacionamentos. Porém, uma vez que se tenha em mente o desejo de ver o amor incondicional em pratica, nossas decisões e posturas em relação aos outros muda.
  Com isso não quero dizer que você irá "amolecer", mas que haverá mais consciência, mais brandura nas suas posturas em relação a quem ama. Quero dizer que você estará presente o suficiente para amar o ser independente do passado ou do futuro.



Textos Parecidos:


sexta-feira, 15 de junho de 2018

Como Estimular a sua Mente para ser mais uma Pessoa mais Criativa e Interessante



 A criatividade é algo que torna os nossos dias completamente novos e traz um interesse único pra vida. Portanto, esse post é para que você estimule sua mente e se desenvolva como pessoa em simples passos.

Informação não é suficiente!
  Mais que buscar saber o que está acontecendo no mundo, é importante entender porquê. Ler uma notícia aleatória não te faz informado se você não averiguou a fonte, se não trouxe isso para debate. Você não precisa criar uma opinião sobre tudo, mas a compreensão é uma chave indispensável para não se passar por completo ingênuo e ser deixado de lado. É preciso ir além da simples informação, é preciso conteúdo.

Acesse o Conhecimento
  Seguindo a busca por conteúdo, não é de grande surpresa que eu indique a leitura. Um capítulo por dia é um remédio transformador de vidas. No entanto, se ler não é uma das suas coisas favoritas a fazer, seja por dificuldade de manter a atenção ou por falta de gosto pessoal mesmo, há sempre alternativas. Você pode buscar por podcasts ou mesmo assistir palestras. Todo tipo de veiculação de conhecimento é válida.

Não se limite na sua área de conhecimento ou zona de conforto
  Não é porque você está fazendo determinada graduação que você só lerá livros acadêmicos da mesma. Buscar outras áreas de conhecimento abre portas e estabelece conexões, é literalmente te tirar da caixinha da zona de conforto e apresentar possibilidades que você pode, inclusive, utilizar para acrescentar na sua área. É muito comum que nos deparemos com antigos cientistas e filósofos que tinham inúmeras funções, que sabiam muito de muita coisa e que trouxeram avanços inenarráveis para nossa atualidade. E não é uma questão de "quem sabe muito de tudo não sabe de nada" porque você terá o enfoque na sua área e se conectará com o gradual acesso às outras.

Busque experiências novas
  Este item falará diretamente com a sua criatividade. Até aqui vimos que o conhecimento é uma ótima ponte até ela, mas aqui ele será o resultado final. Esse é o momento de sair da biblioteca, de casa, botar a cara no sol e o pé na estrada. Há coisas que só a vida, a experiência, pode te oferecer. Muitas ideias surgirão a partir daqui e serão consolidadas com todo o conhecimento que você buscou.


sexta-feira, 8 de junho de 2018

As 5 Regras de Ouro para Superar um Término Dificil


  Pressupondo que já passamos da etapa do afastamento e do colocar tudo para fora, trago aqui cinco regras que vão te fazer sair do fundo desse poço. E se as afirmo é por já ter passado por uma quantidade considerável de términos, sendo os dois últimos os mais marcantes de formas incrivelmente diferentes. Em um deles acabei por me depreciar, me sentir usada e esvaziada; isso se deu porque foi um relacionamento rápido, que envolvia uma pessoa completamente perdida na vida em quem depositei infinitas expectativas. No outro, tive uma relação muito mais profunda e sincera, uma conexão única; porém um término absolutamente difícil uma vez que ambos continuaram envolvidos ainda que impossibilitados de continuar por uma série de problemas.

  No entanto, por incrível que pareça, foi neste segundo término que mais me saí - ando me saindo - bem, tudo porque durante todo relacionamento estruturei minha auto estima, compreendi necessidades e preocupei-me em enxergar o outro como ele é.

  E é a partir de breves comparações, que compreendo melhor o funcionamento desse processo chamado "superar". Superar com aspas pois não se trata de esquecer como normalmente se interpreta, mas de reagir de forma mais tranquila às memórias, às presenças e ausências, e ao que virá daqui para frente.

1. Se Ocupe.

  Quando digo se ocupar, não me refiro a aceitar qualquer coisa que apareça pela frente. E se afirmo isso é porque o fiz. Não que me arrependa, mas o fato é que acabei aceitando demais e me deixando exausta e ainda mais psicologicamente abalada. Então, o que é se ocupar?
  Ocupar é preencher, tornar visível e significativa determinada área da vida. Proponho então que você preencha diversas áreas de forma positiva.

  Ou seja, invista na mente, no corpo e na alma.

  Para a mente, procure empenhar-se no trabalho e/ou faculdade, sem necessidade de ser workaholic ou superprodutivo, mas (re)descobrindo suas afinidades dentro do que faz. Envolva-se com projetos, comece algo novo, estabeleça metas.
  Para o corpo, pratique algo que te dê prazer, sem necessidade de fechar contrato em academia nenhuma se isso não te interessa. Pode ser um esporte ou mesmo a retomada de alguma atividade que você costumava realizar quando mais novo. Se você já faz alguma coisa, minha sugestão é que se torne mais consciente dessa atividade, não se deixando perder em "pensamentos perigosos", se é que me entende, enquanto faz uma simples caminhada, por exemplo. Também é interessante procurar algo mais alternativo ou que se tenha curiosidade sobre para descobrir se acaba por lhe agradar.
  E enfim, para a alma, sugiro que coloque sua criatividade para trabalhar. Invista em novos hobbies ou mesmo em algum que já lhe é familiar. Escreva, cante, pinte, toque um instrumento, desenhe, seja o que for. Expresse-se ao máximo e verá o alívio que sentirá através de tudo isso.
  É muito possível unir as três áreas em um só, mas a minha recomendação é que dedique-se aos três em momentos diferentes para que esteja plenamente consciente e, portanto, devidamente ocupado.


2. Tenha um Sistema de Crenças Equilibrado

  Trago nesse item o alerta para o que se é levado a acreditar e nem mesmo se percebe, e mesmo o que se escolhe acreditar sem se dar conta do impacto disso. Tenha cuidado com as frases feitas, como por exemplo, o famoso "o que for pra ser vai ser". Independente da sua fé, o mundo não funciona na base da espera. Por mais que as oportunidades surjam e pareçam algum tipo de destino, elas só se concretizam positivamente através das nossas intenções, escolhas e ações. Tendo isso em conta, preocupe-se em investigar o que você pensa.


  Não é preciso que questione absolutamente tudo, mas é um despertar crítico não só para o que é externo, mas para o que lhe compõe.


  Uma boa ideia é prestar atenção em sentenças e situações que se repetem na sua vida e simplesmente parar um pouco para analisá-las. Perceba se você possui ciclos viciosos em seus relacionamentos anteriores e busque entender o porque de certos padrões, eles falam mais sobre você do que imagina.


3. Não Demonize a Outra Pessoa

  Não é incomum que chegue um momento em que sintamos raiva daquele que deixamos ou nos deixaram. Há razões para tal e elas sempre voltam a nos incomodar em algum momento. Mas veja bem, se você já avançou o estágio do "colocar tudo para fora" não há porque guardar grandes rancores. De fato, há situações muito piores que as outras, muito mais difíceis de lidar, de perdoar.

  Mas quando peço para que não demonize o outro é no sentido de que há um motivo para todos estarmos nesse mundo e  nos envolvermos, e há uma relação de proximidade nisso, de humanidade. 

Portanto, não há seres completamente maus e mesmo que houvesse, tomar o veneno por eles não é uma opção viável. Se um relacionamento amoroso começou, é porque houve algo bom, e não estou dizendo para se agarrar a isso, mas para considerar isso. Se compreender não for possível, ao menos escolha seu próprio bem estar ao não remoer desamores.


4. Se Desenvolva

Se durante a relação você acabou por não se dar o devido enfoque na ânsia de sempre ceder ao outro, possivelmente este é o momento. Ao seguir as sugestões de se ocupar, você provavelmente já se dedicou mais a si, mas não necessariamente se valorizou o suficiente. É por isso que sugiro que trabalhe com o "self care", o auto cuidado.


  Isto é, dar-se tempo para descansar, para avaliar a vida, compreender-se, empenhar-se de forma consciente para a própria felicidade.

  Há muitos blogs que falam sobre isso e futuramente eu posso até desenvolver mais o assunto. Há listas e mais listas sobre no Pinterest, aplicativos nos quais você pode registrar suas emoções (como o Diário da Psique, por exemplo), canais no YouTube, entre outros. Porém, o mais importante é você reconhecer ativamente as suas necessidades, entender suas raízes e fazer o que for possível para saná-las da melhor forma.


5. Estimule a Sua Própria Alegria


  A essa altura você provavelmente já percebeu que todas as cinco regras de ouro se interligam e todas elas tem o intuito de te fazer superar através de um sentimento tão positivo que é a alegria. Certamente, tudo isso vai lhe trazer outras coisas também, como a satisfação pessoal, o alívio, o prazer, a autoconsciência, mas o grande mediador é a alegria.

  Aquela alegria que te deixa radiante, a ponto de explodir num sorriso, é ela quem você vai buscar.


  Esses meios vão te fazer se reencontrar e ver que a vida vale muito a pena independente de um relacionamento que se foi na sua vida. Há muitos outros, inclusive os não amorosos. Tenha histórias pra contar com os seus amigos, conheça gente nova, revalorize sua família, aprenda a se relacionar consigo mesmo. Você não está sozinho e tem muita alegria pra viver.



  Finalmente, gostaria de lembrar que também estou passando por esse processo e que tudo isso tem me estabelecido e me feito incrivelmente bem. Espero de verdade que essas recomendações te ajudem de alguma forma. Cerifique-se de deixar nos comentários qualquer dúvida ou sugestão extra.


Popular Posts

Quem sou eu

Minha foto
Universitária, leitora ávida, autora nos tempos vagos, amante das artes.
Tecnologia do Blogger.