Neverland não não também não

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Resenha de Esquadrão Suicida



  



Imagem de suicide squad, harley quinn, and katana

  Precisei de muita preparação psicológica para escrever essa resenha para que ela não fosse completamente imparcial devido ao meu nível de fangirl pela DC. As opiniões em relação ao filme ficaram bem dividas, uns enchem de elogios e os outros esculhambam. Não é bem por aí. Tem seus lados negativos (que são bem monstruosos) e positivos (que são bem cativantes). Obviamente, vamos começar pelos negativos. Afinal, terminar com um carinho é melhor do que terminar com uma paulada.
 
  Um dos principais problemas foi o seguinte: venderam uma coisa e compramos outra. O primeiro trailer de Esquadrão Suicida - que, particularmente, me levou ao delírio - teve um clima todo sombrio ao som de uma versão de fundo de caverna de I Started A Joke. Os próximos dois já tinham uma pegada completamente diferente. A possível explicação para tal teriam sido as críticas à sobriedade de Batman vs. Superman. Essa mudança de tom se refletiu também em todo o marketing posterior, que ganhou cores fluorescentes - que inclusive foi uma estratégia para chamar a atenção de um público mais jovem - e até na edição do longa metragem.
 
Imagem de harley quinn, joker, and suicide squad  Essa edição, aliás, foi um dos motivos das reclamações. Já sabemos que é um recurso da Warner e da DC deixar cenas extras para venderem DVD's e Blu Rays depois, mas cortar cenas importantes e deixar outras irrelevantes apenas por questões de estética já é demais. Muitos momentos que vazaram dos bastidores revelariam o quão abusivo é a relação do Coringa e da Arlequina, mas preferiram cortá-las e acabou por acontecer que muitos dos expectadores interpretaram a relação deles como saudável. Talvez isso seja reparado no filme solo da Arlequina que a DC está preparando - que eu espero que tenha muito de As Sereias de Gotham. Outras cenas também pareceram um pouco injustificáveis e talvez com esses extras as coisas fiquem um pouco mais claras (ou não).
 
  Quanto aos personagens... Viola Davis interpretou a si mesma (segundo suas próprias palavras), não é novidade. Ficou bom, claramente. Mas até que ponto isso não vai começar a cansar? Batman teve algumas aparições para a alegria de seus fãs, mas a pergunta que não quer calar: aonde ele estava quando a merda tava rolando? (responderam no final dos créditos, mas não me convenceu não) Quem não procurou saber não faz ideia de quem seja Slipknot, e se o sujeito apareceu em seis minutos de filme foi muito. Crocodilo é descrito como um humano que foi tratado como um monstro por assim se parecer e acaba por se tornar um; teria uma interessante abordagem se o cara não fosse esquecido até o clímax. Bumerangue tem um apeguinho estranho com um unicórnio rosa (uma possível tentativa de humaniza-lo ou só mania estranha mesmo?) e, muitas vezes, parece estar incluído só para fazer número. Rick e June são um casal clássico, nada novo. Magia é um tipo de personagem muito diferente do usado normalmente pela DC, talvez devesse ser "guardada" para outro filme. Katana foi outra que ninguém sabe porque apareceu. Ela não é vilã e sua função é proteger um cara que não precisa de proteção. El Diablo tem uma das histórias que mais poderiam ser exploradas e o cara simplesmente fica "apagado" (piada mais infame que mortal). Aliás, só acertaram com ele quando ele fica em sua forma divina, fazendo clara referência às grandes civilizações da américa: mais, incas e astecas. Quanto ao Coringa, com sua participação reduzida a vinte minutos, poderia dizer que não dá pra ter opinião formada sobre. Mas dá sim, meus caros. Dá pra fazer um post inteiro só sobre Os Vinte Minutos de Cena do Coringa em Esquadão Suicida. Mas vou tentar reduzir para me poupar estresse. Gangster abusivo, gosta de causar, não tem o que fazer e fica arrumando faca no chão sem razão, ri sem motivo, tem uma tatuagem na mão que dá um mínimo estilo, meio pornô, andou frequentando smart fitness, veste umas roupas legais e uma dentadura nem tão legal assim. Essa foi a impressão. Se vai melhorar, eis a questão.
 
Jay Hernandez suicide-squad-set-photos-show-harley-quinn-and-deadshot-getting-up-close-and-persona-400683: Entretanto, o que mais me incomodou foi o roteiro. Tudo bem que deram um prazo de seis semanas para a composição do mesmo, mas isso já é um problema da Warner. A questão começa quando o principal arco problemático do filme é causado justamente pela formação de um Esquadrão que deveria resolver esses problemas. Parece contraditório? Exatamente. A luta do clímax, aliás, parece muito inverossímil dentro do próprio universo: é algo muito grande para uma equipe com habilidades inferiores às do vilão e vilã em questão (dá pra perceber que estou me segurando muito para não soltar um spoiler, ainda que a essa altura do campeonato você já tenha pegado alguns). Uma das possíveis alegações para tal tipo de inimigo, é que este teria que ser de uma maldade muito maior que a dos vilões do esquadrão para que houvesse uma coerência. Entretanto, isso poderia se concretizar sem que a diferença de forças não fosse tão gritante. Uma narrativa mais pé no chão faria muito mais sentido e conversaria muito mais com a proposta do grupo. Muitas das falas também têm contrariedades, como, por exemplo, a Amanda Waller usar de argumento para a criação do grupo a possibilidade de surgir um "Superman do Mal". Como já falei, eu duvidei até que o esquadrão pudesse vencer o famigerado inimigo, que dirá um superman. Uma outra gafe fala é a seguinte proferida pelo Pistoleiro: "Moça, você é do mal". Precisamos de comentários? Acho que não.
  Agora, os pontos altos. A trilha sonora feita especialmente para a o filme e as regravadas ficaram excelentes e pareceram muito compatíveis com a proposta do longa. Entretanto, algumas delas não tocaram durante o filme, ficando reservadas só para os créditos, ou tocaram por míseros segundos. Como elas são muito boas, fica perdoado dessa vez, vai. Algumas cenas são muito bonitas, agradáveis de ver mesmo, como por exemplo, a ginástica na cela, o freak show do Coringa, a perseguição de carros, a luta principal do El Diablo etc. Os personagens que roubaram a cena foram o Pistoleiro e a Arlequina. Só não roubaram literalmente porque esse destaque todo foi concedido por uma questão de salários, não é mesmo? E, no geral, o filme é muito divertido. É o tipo de filme que eu reveria várias vezes por puro entretenimento.
  Vocês me desculpem por ter metido o pau, pra no final ter falado que gostei à beça. Vocês sabem, a imparcialidade é cruel.

Um comentário:

  1. Sempre gostei os filmes. São muito interessantes, podemos encontrar de diferentes gêneros. De forma interessante, o criador optou por inserir uma cena de abertura com personagens novos, o que acaba sendo um choque para o espectador. Desde que vi o elenco de Esquadrão Suicida imaginei que seria uma grande produção, já que tem a participação de atores muito reconhecidos, pessoalmente eu irei ver por causo do ator Jared Leto, é muito comprometido. Ele recentemente atuou em Blade Runner 2049. É um dos melhores Ficção Cientifica Filmes, e vale muito la pena ver, os recomendo muito.

    ResponderExcluir

Popular Posts

Quem sou eu

Minha foto
Universitária, leitora ávida, autora nos tempos vagos, amante das artes.
Tecnologia do Blogger.